Histórias de Carnaval: escolha a sua preferida!

Depois de receber muitas histórias, estas foram as selecionadas para concorrer ao kit chicleteiro.

Votem bastante na sua preferida! A votação será através dos comentários, aqui mesmo no blog, ou pela enquete no orkut.

História 1:

Minha história de carnaval não poderia ser melhor, pois no ano de 2002 conheci minha esposa no carnaval de Salvador, curtindo a maior banda de axé do Brasil: Chiclete com Banana. Dai em diante, passamos a viver juntos por um mesmo ideal, viver intensamente ao lado do chiclete.

Hoje já temos uma filha de 2,5 anos que já nasceu com o sangue chicleteiro. Essa é minha história, chiclete e carnaval em salvador que nasceu um grande amor… Chiclete, sem você nossas vidas não tem o mesmo sentido!

Edmilson, Cleide & Letícia movidos pelo Chiclete.

História 2:

Faz 7 anos que sempre vou pra Salvador no carnaval, mas o melhor carnaval foi em 2003, quando ainda em 2002, Bell em uma entrevista anunciou que o próximo CD e o inédito DVD seriam gravados no Festival de Verão e Carnaval 2003. Não pensei 2 vezes, comprei o sexta do Nana, 3 dias de Camaleão e Voa Voa. Aliás, era a primeira vez que o Voa voa saía na barra, foi uma emoção sem limites o carnaval de 2003.

Carlos Márcio Damasceno

História 3:

Cai na folia no domingo de carnaval acabei conhecendo o amor da minha vida que, por coincidência, mora na mesma cidade que eu, mas só fomos nos encontrar em Salvador, o amor verdadeiro também tem espaço nessa época. Trocamos msn e depois de 4 meses nos encontramos em SP. Depois do carnaval viajamos várias vezes a Salvador… Infelizmente terminou comigo a poucos dias, mas continuo amando…

Mônica

História 4:

Oi meu nome é Reinaldo e moro em Vitória, Espírito Santo. Em 2002 finalmente eu ia realizar meu sonho de sair no Camaleão, eu estava na maior expectativa, só que pra chegar em Salvador foi um sacrifício. Deixei pra comprar a passagem de avião em cima da hora, ai quebrei a cara não encontrava mais nada e a única opção era ir de ônibus, e eu tive que encarar isso, sairia de Vitória no sábado as 17:00h e chegaria em Salvador as 12:00h. Como o camaleão ia sair às 14:00h e minha irmã chegaria em salvador na sexta, eu passei uma procuração pra ela pegar meu abadá. Chegou o dia da viagem, o ônibus saiu da rodoviária na hora certa, só que ai começaram os contratempos. Peguei um engarrafamento tão grande aqui em Vitória que cheguei em salvador com uma hora e meia de atraso. Chegando na pousada, minha irmã não estava lá,  tinha levado a chave do quarto e o pior não atendia o celular, e o dono da pousada não tinha a cópia da chave. Ai bateu o desespero, já era 14:00h e vendo pela televisão da recepção da pousada o bloco coruja estava passando pelo camarote e o camaleão era o próximo. Quando sentei e já desolado minha irmã chegou, comecei a gritar com ela pedindo a chave e perguntando pra ela onde era o quarto, tomei um banho de gato, vesti o abadá e peguei um táxi rumo a avenida, chegando lá o camaleão já estava saindo dos camarotes. Que sufoco, mas valeu a pena, o melhor Carnaval da minha vida.

História 5:

Lá para os meados dos anos 80, época de carnaval com uns 16 anos, fui chamado para trabalhar de cordeiro em um bloco, que nem imaginava o que era realmente a função, mas pela empolgação dos amigos me deixei levar por uma fama de uma banda que despontava no carnaval da Bahia. Naquela época, fui levei empurrões, safanões mais não larguei a corda. No final dos 3 dias, estava acabado com dor aqui dor ali mais muito satisfeito. Começava ali minha historia no carnaval. Logo no ano seguinte, fui promovido “rsrs” a cabo de turma de cordeiro, mas fui logo falando só se for o mesmo bloco (Internacionais com Chicletão). Quem viveu essa época sabe o que estou falando. Lá fui de novo mais 3 dias de empurrões, safanões, mas segurando a corda, já me sentindo como veterano. No ano seguinte, passei a coordenador de corda, depois chefe de patrulha, coordenador de trio e a cada ano ganhando espaço. Até que um domingo de carnaval estava na Barra, fazendo a montagem de um bloco (Crocodilo), recebo um pedido de ajuda. Estava chovendo muito e houve um problema no Camarote da Central no Campo Grande. Me desloquei ate lá e começamos a resolver o problema. No mesmo dia, fiquei no camarote a pedido de Fred Boat para organizar o acesso, passando 8 anos fazendo parte da equipe do Camarote até o seu encerramento ano passado. Logo fui convidado a fazer parte da equipe do Camarote do Nana, onde desde o ano passado respondo pela portaria principal do camarote, um dos pontos mais sensíveis, que é a chegada do cliente.

Alves

  

História 6:

Todo mundo diz que no carnaval é impossível encontrar um amor. Depois de ouvir a minha história tenho certeza que muitos vão perceber que amor de praia sobe a serra SIM.

No natal, fui com minhas amigas a uma festa tradicional daqui de Manaus, naquele dia queria me divertir, cantar, dançar… Só não sonhava que ia conhecer um alguém que no futuro viria a ser especial. No meio da festa, um garoto alto de olhar misterioso veio dar em cima de mim. Ele só não esperava que eu fosse falar com ele, ficou morrendo de vergonha… Homem é assim mesmo, perde toda a coragem quando uma mulher mostra atitude. Nos conhecemos, conversamos, não vi nada demais naquele garoto meio bêbado. Nos despedimos e a noite acabou. Poderia ter sido mais uma conversa, mas o destino nos mostrou que não era bem assim. No dia 26, outra festa em Manaus. Adivinha quem estava lá? O tal menino. Trocamos 2 palavras e nada mais. No dia 27, outra festa essa com bebida liberada (coisa boa), parecia perseguição mas ele estava lá de novo. E assim foi uma festa por dia e eu o encontrei em TODOS os eventos. No ano novo, nos encontramos na porta da casa de festa. Ele tomava um vinho barato e estava bêbado antes mesmo da festa começar. Ele apareceu e, por incrível que pareça, foi o primeiro a me dar feliz ano novo a meia noite. Depois de algumas horas, decidi que era com ele que eu queria ficar. Infelizmente, no meio da festa encontrei meu passado acabei desviando a atenção do que seria meu futuro. Depois disso não nos vimos mais…
5 dias depois primeiro grito de carnaval da cidade, fui com uma amiga que levou 4 amigos que só falavam de academia e anabolizantes. A noite tava perdida! Até que no meio da multidão com uma latinha de cerveja na mão surge o tal garoto. Posso dizer que ele literalmente me salvou de uma noite que eu já considerava perdida. Conversamos… o papo tava gostoso. Até que do nada surge um ex-ficante meu tentando me beijar. Abracei o tal garoto e pedi socorro. Uns garotos que passavem pelo lugar perguntaram se ele estava tentando me beijar eu disse que nós éramos namorados, então eles praticamente me intimaram a provar. Respondi prontamente que só depois do casamento. Eis que surge uma figura vestida de padre e diz que pelo poder a ele concedido nós estamos casados. Depois disso eu tinha que beijar. No outro dia, o tal garoto foi bater na porta da casa da minha avó pra me ver. E ASSIM FOI. A partir disso não ficamos nem um dia sequer sem nos ver. Passamos o carnaval juntos. Nos descobrimos alma gêmeas festeiras. ELE ME ENSINOU a beber tanto quanto ele. No último dia de festa nos perguntamos se seria a despedida de um casal que começou por causa de festa. Ele com o sorriso mais fofo do mundo disse que queria passar muitos carnavais comigo e me pediu em namoro. ACEITEI. No outro ano fomos passar o carnaval em Ssa (muitos dizem que não é o melhor lugar para se ir namorando). Ahh, se eles soubessem como é bom. E nosso namoro de carnaval continua até hoje, lá se vão quase 3 anos. Entre beijos e porres, descobrimos que nosso amor de carnaval nasceu para durar, nasceu abençoado pelos deuses festeiros.

E AÍ AINDA ACHA QUE NÃO EXISTE AMOR DE CARNAVAL? CALMA UM DIA EM UM DOS BLOCOS DA VIDA VOCÊ TAMBEM DESCOBRE QUE ALGUEM NASCEU PARA FESTEJAR COM VOCÊ.

Karla Chaves

 

 História 7:

 

Meu nome é Tatiana, sou jornalista, moro em Brasília e não poderia de deixar registrado aqui que o ano de 2007 foi especial pra mim pelo simples fato de ter realizado o maior sonho que já tive na minha vida: passar o carnaval em Salvador. Mas não bastava ser apenas em Salvador. Era preciso ser nos dois melhores blocos do mundo e com a melhor banda do planeta: Camaleão e Nana Banana com o esplendoroso CHICLETÃO!

E como em um glorioso golpe do destino, desses que poucos têm a sorte de vivenciar, Deus foi tão maravilhoso comigo que me deu a oportunidade de comemorar os 25 anos da minha vida da maneira mais triunfante: Estreei no carnaval de Salvador no bloco que, juntamente com o Camaleão, agrega as melhores emoções, os melhores sentimentos, as melhores recordações e assim ganhei o melhor presente que um dia poderia imaginar: passei o meu aniversário, dia 16 de fevereiro, no Nana Banana ao som do meu idolatrado CHICLETE COM BANANA.

Foram os momentos mais marcantes da minha vida. Lembro-me como se tivesse acontecido há poucos minutos. Eu, na avenida, pedindo beliscões à minha prima pra ver se realmente aquilo estava acontecendo. E realmente estava. Veio então a emoção. O choro! O êxtase! O triunfo! Naquele momento eu agradeci a Deus e disse a ele que se morresse depois daquele carnaval, morreria completamente feliz e mais uma vez agradeci pela alegria que Ele havia me proporcionado!

E logo depois outra grande emoção: Camaleão! Primeiro dia do Bloco. Estava nervosa. Nunca tinha visto tanta gente junta. Mas sabia que aquilo acontecia por causa da grandiosidade da banda que ali se apresentaria: CHICLETÃO. Têm coisas nessa vida que não tem dinheiro no mundo que pague. A emoção de uma Praça Castro Alves repleta de gente, o por do sol iluminando cada rosto emocionado ali presente, e o CHICLETÃO descendo a ladeira foi demais. Mais uma vez chorei! Chorei porque ainda não conseguia acreditar que tudo aquilo que eu sempre sonhei na minha vida estava acontecendo. Era real! E era muito melhor do que eu poderia imaginar. 

História 8:

Ahhh… Meu primeiro carnaval em Salvador: 2009.
Me lembro como se ainda estivesse vivenciando o momento dessa foto. Foi em 23 de fevereiro de 2009 que saí pela primeira vez no bloco Camaleão. Foi um momento ímpar. Lembro que não parava de chorar de alegria quando Bell puxou os primeiros acordes, organizando a galera do olho vivo, os foliões… Lembro também que tive que passar por baixo da corda que separava o trio dos foliões pra ver bem de pertinho o meu Chiclete começar a folia. Eu chorava demais, demais. A adrenalina estava à mil. A galera que eu estava era muito animada. Sem esquecer, claro, do grande Juninho que me aguentou chorando a avenida quase toda. Nosso hotel ficava na Avenida Sete e, quando o bloco passava em frente eu era um chororô em pessoa. Pôxa, como foi bom esse ano!

Wagner Machado

 

História 9:

Eu amo o camaleão na avenida e essa placa representa exatamente minha sensação no bloco e no carnaval de salvador, NÃO ME DEIXE IR EMBORA DAQUI. fiquei feliz que muitas pessoas no bloco vinham parabenizar a mensagem que eu carregava e muitas pediam para tirar foto com ela.
NÃO ME DEIXE IR EMBORA DAQUI, esse sentimento só sente quem passa pelo camaleão na avenida e ao chegar na Sulacap ver aquele mar de gente.
 
Rogaciano Mendonça

Agora é só escolher a sua preferida!

Anúncios

15 thoughts on “Histórias de Carnaval: escolha a sua preferida!

  1. Adorei a história do chorão Wagner Machado, nº 8. Acho q é um pouco de minha própria história… Caso consiga realizar esse sonho louco de bom!!!

  2. KKKKK… Só podia ser o Waguinho, meu amigo chorão a narrar a história de número 08… Botem fé que foi verdade, parece que eu tô vendo aquela criatura se derretendo em bicas, em plena avenida… Ele chora até em aniversário de boneca… Rsrsrsrs

  3. Gostei muito da hisória nº 04… Passar mais de 20 horas em um ônibus e depois ainda seguir o Chicletão na Avenida, isso que é sufoco viu!!

  4. Meu voto é na história nº 5!
    Esse aí sabe tudo de Carnaval: da corda do Bloco à entrada do Camarote!

  5. Dorei a historia numero 6 meu voto é dela, mas o Alves da história 5 merece todo apaluso do mundo isso sim é que é ser brasileiro e não desistir nunca
    cada historia mais louca que a outra, a numero 4 també é muito louca nossa.

  6. Gostei da número 6!! Carnaval pode render uma bela historia de amor…

  7. Nunca senti uma alegria tão grande e tão plena na minha vida como a que eu senti nas 3 vezes em que passei o carnaval em Salvador! É indescritivelmente maravilhoso!
    E pela originalidade meu voto vai pra história 08! kkkk … O chorão! Adorei!kkkk…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s